Pesquisar este blog

ABOUT.ME

terça-feira, 12 de maio de 2015

Se Aécio tivesse vencido as eleições o Ártico descansaria em paz

Se Aécio tivesse vencido as eleições o Ártico descansaria em paz:



EUAGlobo
Com síndrome de abstinência, os EUA invadem o Ártico em busca de petróleo. Mesmo com as revoluções patrocinadas na Líbia, Egito, Síria, Ucrânia e Venezuela, o petróleo ainda não jorra suficientemente nas veias ianques. As espionagens na Dilma e na Petrobrás, reveladas por Edward Snowden também não reverteram em benefícios petrolíferos. A cruzada contra a Petrobrás se encaixa direitinho no modus operandi dos EUA nas desestabilizações que resultam em lucros para suas empresas. Enquanto a imprensa brasileira persegue Lula por que ajuda empresas brasileiras abrirem mercados externos, os EUA patrocinam movimentos coxinhas, do tipo MBL, para levarem de graça nosso pré-sal. Como ainda não conseguiram, se obrigam a investirem no Ártico.

Com ressalvas, EUA liberam extração de petróleo no Ártico

Autorização do governo à Shell impulsiona concorrência global em região ambiental e geopoliticamente delicada

Ambientalistas alertam para consequências de acidente em área remota; pressão da indústria é antiga

DO "NEW YORK TIMES", EM WASHINGTONDE SÃO PAULO

O governo Barack Obama concedeu nesta segunda (11) licença condicional à Shell para perfurar poços de petróleo e gás natural no oceano Ártico a partir de julho.

A decisão é uma vitória do setor petroleiro após anos de pressão para operar no mar de Chukchi, uma extensão do oceano Ártico entre o Alasca e a Rússia onde se estima haver grandes reservas de petróleo e gás natural.

A região ártica –estratégica em termos ambientais, econômicos e geopolíticos– abriu nos últimos anos nova frente de disputa entre Rússia (que mantém vários projetos locais), países do norte europeu (sobretudo Noruega, que tem a maior atuação na área), EUA e, mais recentemente, China, por meio de parcerias internacionais.

A nova decisão americana impõe um revés aos ambientalistas, que vinham pressionando o governo para rejeitar as propostas no Ártico, e lança ambiguidade sobre o legado ambiental de Obama (leia análise nesta página).

O argumento central é que, por causa do isolamento da área, um acidente ali poderia ter consequências piores que as do vazamento do Golfo do México em 2010, quando, após a explosão de uma plataforma, 11 pessoas morreram e milhões de litros de petróleo oram derramados no mar.

CONDIÇÕES

A aprovação ainda está condicionada a que a Shell receba outras licenças pendentes, referentes à fauna local e ao descarte de dejetos.

"Enquanto isso, vamos continuar a testar e preparar nossos prestadores de serviços, ativos e planos de contingência", afirmou Curtis Smith, porta-voz da Shell.

O governo Obama inicialmente havia concedido à Shell uma licença para começar a perfurar no oceano Ártico no terceiro trimestre de 2012. No entanto, as primeiras incursões da empresa se viram prejudicadas por numerosos problemas operacionais e de segurança.

Duas das plataformas de petróleo encalharam e tiveram de ser rebocadas para águas mais seguras.

Em 2013, o Departamento do Interior concluiu que a Shell falhara em uma ampla gama de tarefas operacionais básicas, como a fiscalização de subcontratadas encarregadas de funções essenciais.

Em relatório, criticava asperamente a gestão da Shell, que admitiu estar despreparada para os problemas encontrados ao operar no implacável ambiente do Ártico.

A diretora do Serviço de Administração de Energia Oceânica do Departamento do Interior afirmou em comunicado que a nova decisão foi "ponderada" e considerou "os recursos ambientais, sociais e ecológicos da região".

"Estabelecemos altos padrões para a proteção desse ecossistema e de nossas comunidades árticas", escreveu Abigail Ross Hopper.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Reuters: Top News

Reuters: World News

Reuters: Arts

Reuters: Sports News

Reuters: People News

Reuters: Entertainment News

Reuters: Technology News

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SEGUIDORES NO GOOGLE +

Testez la vitesse de votre connexion Internet ADSL, câble ou FTTx