Pesquisar este blog

ABOUT.ME

sexta-feira, 31 de maio de 2013

HISTÓRIA DE UM GOLPE


O Diário encontrou o brasileiro que deu um golpe financeiro nos Estados Unidos

ROBERTO AMADO 30 DE MAIO DE 2013 0
Onde ele estava? Na Bahia — e no Facebook.
fotos
O verdadeiro malandro brasileiro não está por aqui, nos grandes centros urbanos do país, mas, sim, em alguma praia paradisíaca do nordeste tendo que, de vez em quando, ter o trabalho de abrir um coco.
É claro que esse malandro está com a conta bancária entupida de dólares, vive num confortável anonimato e, ainda que esteja sendo procurado pela justiça norte-americana, não perde o sono e nem tem porque fazê-lo.
Waldyr Prado morava em Miami e tinha carreira aparentemente próspera como corretor de ações da Wells Fargo Advisors. Mas, com certeza, vislumbrou possibilidades mais atraentes do que podia render seu desgastante trabalho do dia a dia. A oportunidade apareceu.
Em 2010, ele soube por meio de um cliente que uma empresa de investimentos, a 3G Capital, iria capitalizar a Burger King, É o que se chama de “inside tradings”, ou seja, informações internas, sigilosas, sobre negócios que serão realizados. É ilegal usar essas informações, simplesmente porque, com elas, é possível amealhar lucros fáceis, em prejuízo de quem não as tem. O cliente de Waldyr estava investindo 50 milhões de dólares na 3G Capital para adquirir a Burger King e revelou a operação ao brasileiro. Entre agosto e setembro de 2010, as ações da Burguer King deram um salto de quase 100% devido ao anúncio da transação. E quem soube antes, ilegalmente, pôde ganhar um bom dinheiro.
Foi o que Waldyr fez: deu a dica para alguns amigos. Um deles, Igor Cornelsen, da empresa Bainbridge Group, ficou no cola de Waldyr esperando alguns meses a definição do negócio. Comprou ações da Burger King e chegou a perder dinheiro. No meio do caminho, trocava emails com Waldyr: “o negócio do sanduíche vai sair?”, escreveu ele. Saiu. E, segundo o relatório da SEC (Securities and Exchance Commission), a Comissão de Valores Imobiliários dos Estados Unidos, Waldyr, Igor e mais alguns beneficiados faturaram no mínimo 2 milhões de dólares — a parte de Waldyr, segundo a SEC.
Sim, porque a comissão americana entrou no circuito e começou a investigar a operação. O primeiro que caiu foi Igor Cornelsen e a Bainbridge Group. Não negaram nem confessaram, mas pagaram multas equivalentes a mais de 5 milhões de dólares. Mas Waldyr foi mais malandro: nesse ínterim, ele mudou de emprego, foi trabalhar na Morgan Stanley, da qual recebeu, inclusive, luvas no valor de 1 milhão de dólares por cinco anos de contrato. E quando foi “achado”, tinha posto a casa de Miami à venda e estava mandando seu dinheiro “para fora do país”, segundo a SEC.
Em março deste ano, o Departamento de Justiça enviou carta rogatória ao Superior Tribunal de Justiça do Brasil para intimá-lo a depor. Mas Waldyr provavelmente não está nem um pouco preocupado com isso. Todo esforço dele está concentrado em abrir um coco no litoral baiano, onde está vivendo. Você pode desejar boa sorte a ele no Facebook, onde agradece a generosidade da natureza, posta frases bonitas sobre honestidade e conversa com Cornelsen sobre suas viagens.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Reuters: Top News

Reuters: World News

Reuters: Arts

Reuters: Sports News

Reuters: People News

Reuters: Entertainment News

Reuters: Technology News

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

SEGUIDORES NO GOOGLE +

Testez la vitesse de votre connexion Internet ADSL, câble ou FTTx